24 novembro 2016

O Agora!


Faz agora um ano que a perspetiva realmente mudou. Os planetas alinharam-se e a mudança deu-se. Não sei explicar melhor que isto! 
O sentir intrinsecamente que a vida está a nosso favor, s e m p r e. 
Quando respiramos, permitimos e aceitamos que tudo evolui, cresce, se transforma, M U D A... 
a vida apoia-nos e flui connosco 🎈
Isso não exclui momentos desafiantes, claro! Muitos. 
Não exclui debater-mo-nos com tudo o que não é o "Eu".
Não exclui vulnerabilidade, muito pelo contrário! É ela que, mesmo quando o nosso Ego teima em achar que nos precisa de continuar a defender, nos permite expor-mo-nos à incerteza, aos riscos, à coragem do saltar sem rede, ao Agora.
Então um ano depois, mudei de País, de cidade, de casa, fiz pause nas aulas, abracei novos projetos e comecei a viver o sonho de viver sem rede! 
Passei a não saber o que vai ser do futuro e a estar aberta e disponível para as propostas que a Vida tem para mim! 
Passei a respeitar-me, seja rejeitando trabalhos que me tiram energia e me frustram, seja mantendo os meus ideais (mesmo que isso afaste de mim pessoas várias), seja respeitando a minha alimentação, seja protegendo a minha sensibilidade...etc, etc, etc!

Apeteceu-me partilhar isto hoje porque já posso falar sobre o 03 de Novembro de 2017!
O meu querido “Identidade F.” que tantas alegrias dá à minha Alma vai deixar-se ver no CCB!!!
Ele, o Identidade, é tão simples... que é isso que me deslumbra! Talvez seja por isso que o Universo o acolhe =)
Poder fazer esta aproximação entre duas expressões de sentimentos – o Fado e o Flamenco – neste ciclo de fado e ao lado de tantos nomes que admiro, é mesmo um imenso p r i v i l é g i o.


Sou grata ao Museu do Fado pela confiança e ao Universo pela oportunidade 🌟

Fotografia - escultura de Robin Wight



Sem comentários:

Enviar um comentário

Flamenco